Área de Concentração

Geografia, Natureza e Dinâmica do Espaço

Os estudos geográficos serão de fundamental importância para a compreensão das dinâmicas espaciais urbanas e rurais que veem se desenrolando no Maranhão em função de políticas governamentais de incentivo ao desenvolvimento de projetos industriais, minerais e do agronegócio. A apropriação do espaço por atividades econômicas de grande impacto desencadeia transformações na dinâmica de processos naturais como os referentes a dinâmica das águas e no movimento de massas por exemplo, bem como, sobre a relação da sociedade com a natureza, gerando movimentos populacionais na cidade e no campo capazes de ordenarem uma série de transformações territoriais e na paisagem. É diante desta atual conjuntura do Estado, uma realidade pouco estudada e pesquisada, que esta proposta de mestrado se consubstanciará. Assim, se propõe duas linhas de pesquisas para direcionarem as atividades, uma na área de dinâmicas da natureza e sua conservação e outra sobre produção do espaço e do desenvolvimento territorial.

Linhas de Pesquisa

Dinâmica da Natureza e Conservação

Aborda os temas específicos sobre os aspectos que compõe a natureza, através de estudos em Geomorfologia, Pedologia, Bacias Hidrográficas, Planejamento e Conservação ambiental. Fundamenta-se em teorias gerais da abordagem físico-ambiental da natureza, contemplando a análise das paisagens, o mapeamento de fenômenos geográficos o desenvolvimento de técnicas e métodos específicos da análise ambiental, além de favorecer pesquisa em escala regional e local. Atende as necessidades de fundamentação ao planejamento e gestão dos recursos, sobretudo aqueles causadores de conflitos de uso, como a água por exemplo.

Dinâmicas Socioterritorias, Mordenizações e Desigualdades

Analisa os usos do território no mundo contemporâneo, problematizando os nexos entre os processos de modernização (seletivos e contraditórios), os impulsos globais e a produção de desigualdades sociais e ambientais. A partir da problematização da dimensão espacial da vida, trata-se de um esforço em busca de um novo significado para o termo modernização, que dê conta de enfrentar os problemas sociais, culturais e ambientais, projetando usos menos desiguais do território, comprometidos com os lugares e com os sujeitos que os constituem.